Cinco traços de vampiro que podemos encontrar nos animais

logomarca the conversation
Publicado originalmente por Louise Gentil, Nottingham Trent University, em The Conversation

Quando solicitados a descrever um vampiro, a maioria das pessoas pensa em uma criatura alta e pálida, com presas e uma capa. Mas as criaturas do folclore foram inspiradas em traços reais vistos no reino animal? Desde evitar a luz do sol até usar um manto, aqui estão cinco características clássicas de vampiros que existem no mundo natural.

1. Beber sangue

A característica primária de um vampiro é se alimentar de sangue. Embora muitos ectoparasitas como mosquitos e sanguessugas também bebam sangue , o morcego hematófago é a única espécie de mamífero que é verdadeiramente hematofágico (alimenta-se exclusivamente de sangue).

Os morcegos vampiros atacam animais de sangue quente, como gado, localizando pontos de sangue com seus sensores de calor infravermelhos embutidos e até mesmo utilizam uma proteína chamada “draculina” para manter o sangue de suas presas fluindo.

Mas eles também precisam se alimentar a cada dois dias para sobreviver, e encontrar presas com frequência é um desafio. Felizmente, os morcegos vampiros vivem em poleiros comunitários, então desenvolveram um mecanismo de compartilhamento de alimentos pelo qual regurgitam sangue para indivíduos famintos. Isso geralmente é feito de maneira olho por olho – para que os indivíduos que se beneficiaram dessa maneira retribuam mais tarde doando aos morcegos que os ajudaram.

2. Imortalidade

Embora os vampiros sejam frequentemente considerados imortais, existem poucos animais que possuem a mesma qualidade. Animais como baleias e tubarões podem viver por mais de 200 anos , e tardígrados (uma pequena criatura que vive na água) podem existir em um estado de animação suspensa indefinidamente – voltando à vida quando hidratados.

água viva imortal
A água-viva imortal.

água-viva imortal , no entanto, renasce repetidamente. Assim como uma lagarta que começa a vida como um ovo e se desenvolve em uma borboleta, a água-viva começa a vida como um ovo, se desenvolve em uma larva, cresce em um pólipo e depois se transforma em uma medusa que cresce apenas 4,5 mm quando totalmente madura.

A água-viva é “imortal” porque pode mudar de medusa de volta para pólipo quando estressada. Essa “transdiferenciação” – revertendo para uma forma anterior e depois se desenvolvendo na última forma – poderia ajudar nossa compreensão da reparação e regeneração de tecidos danificados .

Embora a maioria das medusas sucumba à predação ou doença eventualmente, essa água-viva tem o potencial de se regenerar indefinidamente, tornando-a praticamente imortal.

3. Evitar a luz solar

Como muitos vampiros, os animais geralmente evitam a luz. Estes tendem a incluir invertebrados que preferem habitar condições escuras, ou espécies noturnas que são adaptadas à alimentação à noite. No entanto, existem algumas espécies que são hipersensíveis à luz e a evitam a todo custo, incluindo alguns moradores de cavernas que passam a vida em escuridão permanente.

Talvez uma das criaturas de aparência mais estranha seja o rato-toupeira nu , que habita tocas subterrâneas na África. Como os vampiros, eles são pálidos, evitam a luz do sol e são conhecidos por sua longevidade. Eles também possuem um estilo de vida colonial, semelhante às formigas e abelhas – as operárias adquirem alimentos, mantêm o sistema de túneis e protegem o ninho da rainha reprodutora, semelhante a um reprodutor vampiro.

rato-toupeira
O rato-toupeira pelado.

4. Sentidos aguçados

Os vampiros são frequentemente representados com sentidos aguçados, como visão e audição. Mas muitos animais também desenvolveram supersentidos muito superiores aos de humanos e vampiros.

Vampiros, por exemplo, parecem ter um olfato particularmente apurado. Essa característica é espelhada em animais como os ursos, que podem sentir o cheiro de comida a até 29 quilômetros de distância .

olfato dos tubarões
Os tubarões têm um olfato direcional. Shutterstock

Embora muitas vezes se diga que os tubarões podem sentir o cheiro de uma única gota de sangue a uma milha de distância, isso é um exagero – é mais como uma única gota em uma piscina. No entanto, os tubarões têm narinas que lhes dão um olfato direcional, permitindo que localizem as presas com incrível precisão. Suas narinas também têm apenas uma função: detectar odores. Talvez os vampiros mortos-vivos tenham um olfato tão impressionante porque também não precisam respirar.

5. Transformação

Os vampiros também podem se transformar em outra forma, como um morcego, muitas vezes atrás da mortalha de um manto. Espécies como o polvo mímico são igualmente capazes de mudar de forma para evitar uma situação complicada. Infelizmente, eles não podem se transformar em morcegos e voar para longe, mas isso é essencialmente o que uma lagarta faz quando se transforma em borboleta e voa para o céu – embora esse processo leve semanas em vez de um instante.

Assim como os vampiros que desaparecem em uma nuvem de fumaça, as lulas também são capazes de produzir nuvens de tinta – confundindo os predadores e criando a ilusão de que eles desapareceram.

Mas e o manto? Nada se assemelha a um vampiro de livro como a garça negra. Esses pássaros criam um manto de plumagem em torno de si, formando uma sombra que permite que os pássaros vejam a presa na água e cria uma armadilha escura para a qual os peixes se lançam, assumindo que estão protegidos.

Existem muitos animais que possuem qualidades vampíricas, então é provável que as histórias de vampiros ou sugadores de sangue míticos, como o chupacabra , sejam baseadas, em parte, nessas características.

E todos eles também têm mais uma coisa em comum: todos podem ser mortos com uma estaca no coração.

botão seguir mapeando concursos no Google News
The Conversation

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.